Síndrome do impostor é coisa de novatos?

mascara

Recentemente, muitas pessoas estão sendo demitidas. Crescentes demissões em massa causadas pela crise do COVID-19, e ser demitido, pode afetar tanto quem fica como quem sai de uma empresa. Quem sai pode entrar em uma nova empresa sofrendo com a síndrome de impostor. Será que isso acontece só com os novatos de uma área?

Ser cortado em uma demissão em massa

A cada dia vejo mais posts no Linkedin sobre pessoas que foram demitidas nessa crise que se inicia. Nestes posts, colegas de trabalho tentam animar quem foi demitido e promovê-los postando links de seus perfis, atestando-os como excelentes profissionais. Fazem isso como uma forma para ajudar os colegas e muitas vezes até compartilham planilhas com Nome, Cargo e Contato de todas as pessoas que foram demitidas.

Apesar de sair sendo endossadas por colegas, essa é uma fase na qual muitas dessas pessoas perdem a confiança em nelas mesmas. Ser demitido nunca é uma situação agradável e dependendo de como é feito pode ser até traumático.

homem sendo demitido

Quem foi cortado pensa no que poderia ter feito diferente ou se compara com quem ficou. E quem sobreviveu ao corte pensa que será o próximo e que não é em nada diferente daqueles que saíram. É ruim para todo mundo.

Sempre acredito que analisar criticamente o porquê de ter sido demitido é uma maneira de melhorar como profissional em épocas normais, todavia vivemos em tempos sombrios e nele o imponderável exerce o papel principal, por isso, se você sofreu em uma demissão em massa, não seja tão crítico com você mesmo. Quando estiver recuperado do baque e pronto para outro emprego, saiba que existem muitas empresas que ainda estão contratando. Será a hora de levantar a cabeça, lembrar-se das suas conquistas e seguir em frente.

A Síndrome do Impostor

Só que mesmo nos casos de profissionais excelentes que foram cortados, existe um grande risco de sofrer da síndrome do impostor quando pisarem em uma empresa nova. Quero ligar isso a uma história que aconteceu há algumas semanas nos EUA. O governador do Colorado resolveu criar um comitê junto à iniciativa privada para combater o COVID-19 e o investidor Brad Feld indicou Matt Blumberg para dar partida no projeto montando o time.

Matt é um ex-CEO que liderou sua empresa Return Path por 20 anos e a vendeu no ano passado por centenas de milhões de dólares. Uma pessoa super gabaritada e endossada por outras pessoas excelentes. Mesmo assim, Matt sofreu da síndrome do impostor.

Matt Blumberg

Durante os 12 dias nos quais ele trabalhou arduamente para montar esse time, Matt manteve um diário e postou como se sentia em seu blog. Logo no primeiro dia, ele relata ter se sentido com uma “mega síndrome do impostor”. Matt é gente como a gente.

Portanto, não importa se você está começando agora ou tem +20 anos de experiência. Essa sensação é normal e para quem está buscando novos desafios depois de ter sido demitido durante a crise, deve ser mais comum ainda.

O que buscamos na crise?

pães

Li uma matéria no G1 comentando sobre o crescimento das buscas online para alguns produtos no período da quarentena.

Buscas de supermercado pela internet, equipamentos de ginástica e periféricos de computador subiram vertiginosamente. Só como exemplo, álcool em gel cresceu 983%. Anilhas de academia, 937%.

Claro que existem um monte de outros produtos ali que em um exercício mental você conseguiria adivinhar que cresceriam também como televisões, webcams, headsets e até computadores (já que o Home Office virou realidade para 23% das pessoas, contra 0,2% poucos tempo atrás).

Fiquei curioso e quis fazer minha própria pesquisa, imaginando o que poderia gerar maior interesse nesse momento de crise. Estou colocando os resultados abaixo:

Resolvi utilizar o Google Trends para ter uma ideia de como estamos buscando alguns termos no Brasil. A primeira curiosidade que tive foi de saber se estamos buscando mais por “comparadores de preço”. Imaginei que já que a busca é online, comparar preços seria mais fácil através de uma ferramenta. Além disso, a matéria do G1 aponta o Buscapé como fornecedor dos dados.

No alt text provided for this image
Google trends comparando resultados para buscapé, zoom e bondfaro

Inicialmente, tomei um susto! O único buscador que eu uso é o Buscapé, porém lembrei que existiam outros dois: o Zoom e o BondFaro. Acontece que eles nem existem mais (pelo menos ambos os sites estavam com erro 504 no momento em que escrevo este artigo) e Zoom é o mesmo nome de uma ferramenta de videoconferência e por isso temos esse boom de interesse bem no período da quarentena.

Deixando só o Buscapé, aparentemente nada mudou na quarentena e o pico foi na Black Friday:

No alt text provided for this image
Google Trends com resultados de busca para buscapé

Depois pensei em outras duas hipóteses:

  1. Durante a quarentena as pessoas procuram mais por Cursos Online.
  2. E a busca por Jogos Online também aumenta durante a quarentena.

Curiosamente, o interesse em Cursos Online sempre foi menor do que por Jogos Online, mas desde meados de Março, ambos cresceram muito e o interesse em buscas por Cursos ultrapassou o interesse em Jogos:

No alt text provided for this image
Google Trendfs com resultados de busca para Cursos Online e Jogos Online

Os cursos que tem sido mais buscados são os “gratuitos” e a busca por cursos gratuitos em específico da FGV e os de desenho da Faber Castell estão crescendo.

No alt text provided for this image
Tabela do Google Trends para Queries relacionadas a Cursos

E só para ter certeza que as pessoas estão ficando em casa, resolvi comparar com as buscas por bares, cinemas e restaurantes e constatei que houve uma queda bem acentuada em março:

No alt text provided for this image
Google Trends com resultados de busca para Restaurante, Bar e Cinema

Fora isso, o próprio Google Trends deixa vários insights de buscas que vem crescendo. Obviamente, a grande maioria delas é relacionada ao COVID-19, à crise e a informações de como conseguir ganhar o benefício do governo. Contudo, um dos insights me chamou muita atenção:

No alt text provided for this image
Google Trends com resultados de busca para Como Fazer Pão

O interesse em “Como Fazer Pão” dobrou.

E disso tirei um monte de outras dúvidas que gostaria do seu input:

  • Será que o interesse por cursos online se mantém depois da crise?
  • Que tipo de negócios poderiam nascer de novos interesses das pessoas?
  • Assinatura de entrega de pães?
  • Assinatura de ingredientes para fazer pão em casa?
  • Será que depois da crise as pessoas continuam a fazer seus pães ou voltam para as padarias?

Enfim, para cada pergunta vai surgir uma outra pergunta, mas a reflexão que eu quero deixar é exatamente como descobrir o que tem potencial para crescer durante a crise?

Paralisia por Análise – Por quê é tão difícil escolher um filme na Netflix?

Netflix

Já percebeu como é difícil pra escolher um filme na Netflix? Você praticamente sofre uma paralisia por análise.

Com tantas opções fica difícil tomar uma decisão. E isso não acontece só com filmes. Vários amigos tem dúvidas sobre qual curso fazer no período de quarentena ou o que estudar já que chovem opções gratuitas neste momento.

O fato é que temos apenas uma quantidade de decisões que conseguimos tomar sem esgotar nosso cérebro. Isso é assustador se imaginar como deve ser sido isso para Steve Jobs, ou hoje em dia para Mark Zuckerberg que precisam tomar centenas de decisões por dia.

Quando estamos expostos a muitas opções podemos sofrer de ‘Paralisia por Análise’, ou como diz o termo em inglês “Analysis Paralysis“. Isso acontece porque ficamos tentando otimizar nossas escolhas e temos medo de tomar uma decisão errada sendo que pode ter outra melhor na mesa.

Isso acontece também no Desenvolvimento de Software e é um anti-pattern conhecido, no caso, quando você dedica muito mais tempo e esforço à análise do projeto do que deveria.

Conheço pelo menos 3 métodos que você pode utilizar para lidar com isso:

  1. Entender bem o que você vai decidir e quais os impactos da escolha que você vai fazer. 
  2. Estipular um prazo para a tomada de decisão
  3. Ter uma rotina.

Como você lida com isso no seu dia a dia?


Meetup Virtual de Flutter para Pessoas em Quarentena

Meetup virtual de Flutter para pessoas em quarentena

Eu estava querendo organizar um Meetup de Flutter mas com a quarentena até dei uma desanimada… Até descobrir a história de como o Meetup foi criado.

Depois do ataque ao World Trade Center em 2001, Scott Heiferman se reuniu com seus vizinho. Apesar de morar no mesmo prédio há anos, nunca havia falado com eles.

A situação em Nova York era tão delicada que acabou por aproximar as pessoas em suas comunidades locais. O espírito era de cooperação.

Depois desse encontro e de uma vigília na cidade, Scott se viu com questões como:

  • O que une as pessoas?
  • O que leva as pessoas a falarem umas com as outras?
  • O que leva as pessoas a se organizarem em grupos para fazerem coisas boas?

Scott diz que antes não era muito ligado a comunidades, porém estava intrigado e no ano seguinte resolveu criar o Meetup junto a mais cinco pessoas.

O Meetup é uma plataforma online que busca unir pessoas presencialmente. Contudo, desde a quarentena que nos foi imposta pelo COVID-19 eles mudaram o “in-person event policy” e estão incentivando os organizadores a criarem eventos online.

Aproveitei a oportunidade e criei o Meetup Virtual de Flutter para Pessoas em Quarentena

O ser humano é um animal social e espero que estejamos ainda mais unidos depois de passarmos por esta crise.

A Quarentena de Isaac Newton

Isaac Newton

Sabia que Sir Isaac Newton também passou por um momento de quarentena? 

Ele ainda era um aluno e aproveitou tão bem seu período em casa que, 2 anos depois já era professor em Cambridge

No período de quarentena, que ocorreu durante a Grande Praga de Londres, foi quando ele desenvolveu vários de seus trabalhos mais importantes como o Cálculo, a Ótica e a Teoria da Gravitação Universal.

Vejam que, o “distanciamento social”, hoje em dia mais físico que social, não é uma ferramenta nova. 

Hoje, estamos presos em casa, mas contamos com deliveries, cartões de crédito, formas de comunicação e praticamente todo o conteúdo do mundo disposto na internet para aproveitarmos nosso tempo criando coisas incríveis. Se bem aproveitado, esse tempo ‘isolados’ pode ser muito produtivo.

Nada parou o barco na quarentena de Isaac Newton!

O vamos colher de bom depois da crise?

Essa matéria do Washington Post sobre o caso é bem interessante: https://www.washingtonpost.com/history/2020/03/12/during-pandemic-isaac-newton-had-work-home-too-he-used-time-wisely/