Sobre feedback ‘negativo’

Dar um feedback negativo para alguém é difícil. Principalmente se você não pensar que o ‘negativo‘ na verdade deveria ser um feedback construtivo. Eu tenho a convicção de que se você mudar como você enxerga o feedback, ele vai ficar mais fácil.

O Milagre da Responsabilidade

Todos os chefes querem ter trabalhadores mais engajados mas nem todos estão dispostos a fazer sua própria parte para que isso aconteça. A maioria dos chefes, e estou usando essa palavra de propósito, só sabem empurrar trabalho, mas quero discutir nesse texto que delegar responsabilidades é muito mais vantajoso e acaba por desencadear um fenômeno que vou chamar de “O Milagre da Responsabilidade”. Quando você delega mais responsabilidade você tem trabalhadores mais engajados e que se sentem valorizados.

Trabalho versus Responsabilidade

Existe uma diferença entre delegar trabalho e responsabilidades. Quando você só empurra trabalho para alguém você cria facilmente uma atmosfera de serviço burocrático, onde tudo se resume a cumprir horas e entregar tarefas. Muitas empresas fazem isso e criam uma eterna sensação de ir “tocando com a barriga” sem ter profissionais engajados.

Porém, ao fazer isso, a empresa perde uma chance muito valiosa de inspirar quem está trabalhando com ela, afinal o que se quer são resultados, são profissionais autônomos e não somente tarefeiros. Tarefeiros vão embora, tarefeiros não crescem com a empresa, tarefeiros estão desmotivados. Queremos profissionais! Pessoas autônomas, engajadas em resolver problemas e gerarem valor para elas e para a empresa.

Para passar de empurrar tarefas para delegar responsabilidade, você precisa entregar uma missão e o contexto. Não é tão simples como parece. Isso depende de uma mudança de postura, de um posicionamento de líder que está ali para ajudar as pessoas a executarem seu melhor trabalho. É sair da alcunha de chefe. Para ser um bom líder muitas vezes é necessário relegar a “autoridade” atribuída ao cargo e dar autonomia para que as pessoas possam debater com você. Uma das principais características do líder é estimular o desenvolvimento de alguém. O líder deve entregar continuamente as ferramentas para que as pessoas se desenvolvam e resolvam os problemas

Responsabilidade engaja? 81 % das pessoas acreditam que sim, segundo enquete no meu Instagram. @ffreitasalves
Fiz uma pesquisa no meu instagram @ffreitasalves o que as pessoas achavam sobre o a responsabilidade gerar engajamento.

É sua obrigação como líder

Afinal, como líder, sua maior alavanca é potencializar as pessoas e as formas com que elas trabalham. Então dê responsabilidade, acompanhe o andamento, ajude seu liderado a vencer as barreiras e depois cobre os resultados. Você vai ver o milagre da responsabilidade acontecendo.

Não considere “perda de tempo” os minutos que você vai gastar explicando problemas e contextos para as pessoas. Você quer resultados e não tarefas feitas. Tarefas são o meio e não o fim.

E se você não estiver numa posição de liderança, mas concorda que as coisas precisam mudar, você precisa hackear o organograma.

PS: No fundo tudo isso se resume a ter responsabilidade sobre tudo aquilo que você consegue exercer alguma influência. Isso é o extreme ownership.

Brilliant Jerks – Tecnicamente excelentes, porém babacas

Você já trabalhou com algum Brilliant Jerk? Alguém tecnicamente excelente mas que era um babaca e piorava a cultura da empresa?
Imagino que a maioria das pessoas já passou por isso. Será que vale a pena ter alguém assim no time?

Novo conto de J.K. Rowling é uma biografia de Draco Malfoy | Exame
Draco Malfoy – Ele é um Brilliant Jerk ou eu

Eis é o famoso brilliant jerk. De nada adianta o talento dele se não souber trabalhar em equipe. O que foi e é fundamental para nossa evolução como espécie é nossa capacidade de poder colaborar em grandes grupos. Para alcançar resultados e ter uma empresa que cresce, a necessidade é a mesma.

Podemos até pensar em como funciona o processo científico hoje. Quantos cientistas você sabe o nome atualmente? Provavelmente poucos ou nenhum, e não precisa saber, pois é o trabalho colaborativo deles que vai gerar grandes resultados e isso tem sido muito mais eficaz do que gênios individuais trabalhando sozinhos por aí.

Acontece que ter alguém excelente mas que não compartilha a mesma visão dos demais é danoso para a organização e para o dia a dia do time. Tendemos a ser complacentes e achar que o problema gerado vai diluir com o tempo. Não vai.

Escolha bem suas lutas, escolha pessoas boas que vão levantar a moral do seu time e que aceitam discutir como pessoas civilizadas e não como donas da verdade.

PS1: Também não é por isso que você vai contratar um incompetente mas que é o amigão da galera.

PS2: Algumas empresas tem políticas claras de contratação para evitar brilliant jerks, o caso mais conhecido é o da Netflix, porém Microsoft e Atlassian também já se pronunciaram sobre isso.

O óbvio ululante para quem quer crescer na carreira de tecnologia

Tem uma pequena coisa que você precisa entender para ser um profissional de tecnologia melhor. É uma coisa óbvia que a grande maioria se esquece no dia a dia e depois não entende porque está demorando para evoluir como uma liderança técnica. Você precisa entender qual o objetivo da área técnica.

E não é só para liderança, mesmo um desenvolvedor no começo da carreira poderia crescer mais rápido se tivesse isso em mente.

O objetivo da área técnica é dar viabilidade para o negócio. Ponto!

O Poço e quando defecam em nós.. Óbvio. | by Sephiroth Computatrum | Medium

Tem que entender o negócio de verdade. Se interesse pelo problema a ser resolvido, traga alternativas, aprenda a negociar escopo, avalie quando dá pra entregar algo inacabado, mas com alguém operando no back-office, saiba quando poderia ou não comprar uma dívida técnica, enfim, tenha em mente sempre em como o resultado do seu trabalho vai impactar o negócio.

Entender isso faz toda a diferença para crescer mais rápido na carreira e para ser uma liderança técnica eficaz!

Publiquei esse texto ontem 15/Set/20 no meu Linkedin e depois usei os stories do Instagram para falar um pouco sobre casos desse tipo.

Me sigam por lá!

PS: Usei a famosa expressão do Nelson Rodrigues, “Óbvio ululante”, em homenagem a um brasileiro que era espetacular. Esse ano li “A Pátria de Chuteiras” que é uma coletânea de textos futebolísticos do Nelson Rodrigues e de lá podemos ver o quanto esse cara acreditou no brasileiro. Eu também acredito!

Culpa por estar descansando

Você passa o final de semana se culpando por estar descansando? 

Esse é um assunto que surgiu algumas vezes conversando com desenvolvedores na minha mentoria. A história é sempre parecida: Você tem pouco tempo durante a semana e no final de semana quando vai descansar ou se divertir, você pensa que deveria estar trabalhando ou estudando e se sente culpado.

Bart Bored | Capa twitter

Citando Yuval Harari no livro Homo Deus: “No mundo moderno, nós humanos tocamos o negócio. Por isso estamos sob constante pressão dia e noite”.  Essa pressão é normal, pois você sabe que é o grande responsável pelo seu sucesso e seu futuro, seja na carreira, na vida familiar, financeira, etc. Não dá pra terceirizar, é melhor aceitar que é difícil e fazer alguma coisa quanto a isso.


O que fazer? Planeje-se. E antes de inventar a desculpa de que “não adianta planejar minuto a minuto”, dê uma chance para o planejamento. Esse simples ato vai te dar muitos insights sobre o que você deveria ou não estar fazendo.

Pegue papel e caneta e escreva tudo que você gostaria de fazer, quais áreas da sua vida você precisa balancear, quanto tempo você gostaria de se dedicar para cada coisa e se planeje. Se você decidir que não vai usar o final de semana para esses objetivos então simplesmente fique em paz. Você vai ver que o problema não é estar se divertindo, é simplesmente estar com um monte de abas do Chrome em aberto na sua cabeça.

Descanso planejado não tem sentimento de culpa! Você só precisa estar OK com as escolhas que você fez para você. Se você não estiver confortável porque gostaria de estar investindo seu tempo em um negócio próprio, em um curso ou em uma atividade física, se planeje e execute.


Hackeando o Organograma. Influenciando ativamente quem está acima de você

Essa semana li um texto interessantíssimo do meu amigo Muller Nascimento: Às vezes é a maçã e às vezes é o barril. O texto discute o que fazer quando o problema é quem toma as decisões. Isso não é simples e entendo que para a maioria das pessoas essa situação pareça insolúvel, mas não é. Hackeando o organograma, você pode liderar sua empresa, independentemente da posição que ocupa.

Minha sugestão aqui é que você assuma uma postura de liderança, sem se prender ao seu papel na empresa. Para isso, você vai precisar trabalhar em vários pontos ativamente. A maioria das pessoas vai fugir, ou achar que não vale o esforço, mas se você for uma das poucas pessoas a lutar terá aprendido muito no processo e poderá ser responsável por melhorar não só seu ambiente de trabalho, como a si mesmo e sairá dessa batalha um profissional muito mais capacitado e pronto para assumir posições mais difíceis.

Comunicação

Jeff Sutherland no seu livro Scrum, fala sobre a importância da saturação da comunicação para o funcionamento efetivo do time. É uma verdade dentro de um time de 5 ou 6 pessoas e continua sendo verdade para organizações inteiras, com centenas de colaboradores (ou maçãs 🍎 🍏, como chamou o Muller). Mas por quê ainda se fala tanto sobre a importância da comunicação ? Porque é sempre o primeiro problema pra resolver.

Para manter todo mundo na mesma página é que surgem as reuniões de alinhamento, planejamento, reuniões diárias (daily meetings), retrospectivas, etc. O único objetivo é compartilhar o máximo para que todos tenham contexto suficiente para tomar as melhores decisões. A boa comunicação e a saturação dela entre “líderes” e “liderados” é o caminho para uma relação mais harmoniosa e um trabalho mais efetivo.

Na prática: O que fazer quando seu líder não se comunica de maneira eficiente? Perguntas! Sempre que alguma coisa não estiver clara para você, você vai perguntar. Seu objetivo não é entender “Como fazer alguma coisa” ou “O que deve ser feito”. Seu objetivo primeiramente é entender o Objetivo por trás de qualquer tarefa. Entender o “Por quê” algo precisa ser feito vai te trazer a visão global de algo. Toda vez que não estiver claro, pergunte ativamente. Discuta os pontos que devem ser feitos, qual a melhor forma de fazê-los e quando algo não estiver claro para você como “por quê estamos usando a metodologia x ao invés de y?” ou “por que não tentamos fazer tal coisa”.

Fale com quem resolve

Falar com quem resolve é outro ponto que deve ser trabalhado se você quiser liderar de baixo para cima. Discuta abertamente os problemas da empresa com o seu chefe e não pelas costas para os seus pares. Falar com alguém que não tem o poder de mudar nada só vai soar como reclamação e vai contaminar o barril inteiro e ainda pode ter um efeito negativo sobre como os outros funcionários enxergam você. Se você levar isso para quem tem o poder de resolver, você estará ativamente buscando soluções.

Seja Humilde

Contudo, considere se você está sendo humilde. Eu sei o quão irritante pode ser ouvir isso, principalmente se você estiver de saco cheio com a sua empresa, porém ser humilde para considerar se o que está sendo feito tem sentido, ou se você tem o contexto completo para avaliar uma decisão é crucial para ser ouvido também. No livro, Extreme Ownership, Jocko Willink e Leif Babin explicam como o ego pode atrapalhar seu julgamento e sua tomada de decisões. Se você ouvir atenciosamente, maior será sua chance de entender melhor o cenário e com isso ter uma melhor base de argumentação, se necessário. No final de uma boa discussão os envolvidos vão sair melhores, entendendo mais os pontos um do outro. Mesmo que haja discordância, é mais fácil seguir por um caminho depois de entender quais são os trade-offs de cada alternativa.

Compartilhe Conhecimento

Uma outra estratégia que pode ser aplicada juntamente a todas as outras é compartilhar conhecimento. As diferentes visões para a tomada de decisão vem de diferentes repertórios. Nutra os demais membros do time com informações que você achou relevante para basear a sua visão. Indique textos, livros, podcasts, vídeos, ted talks, cursos e tudo que puder para seus líderes. As vezes um simples “Fulano, gostaria de discutir um texto com você”, pode ser suficiente para um aprendizado relevante na sua empresa. Ninguém sabe tudo e fomentar essas trocas só enriquece o ambiente e o aprendizado.

Vá embora, você não é uma árvore

Por fim, se a incompatibilidade de gênios é certa, não leve nada para o pessoal. Crie asas e voe para outro lugar. Foque nas coisas boas que você construiu e nos aprendizados que vai levar desta empresa para outra e vá atrás de algo melhor para você. Permanecer em um lugar que não tem nenhum sinal que vai dar certo pode te desmotivar e isso não prejudica só sua empresa, mas também as pessoas próximas (ninguém suporta reclamões) e principalmente sua imagem profissional, pois alguém desmotivado por um longo período pode ser visto como preguiçoso e/ou incapaz pelos colegas e refletir negativamente em futuras indicações.

Resumo

Algorítimo para hacker as organizações:

  1. Comunicação efetiva sempre! Pergunte até esclarecer pontos obscuros. Não assuma nada!
  2. Fale com quem pode resolver. Levar problemas para os seus pares não muda sua vida, só faz de você um bebê chorão ou uma matrona fofoqueira.
  3. Seja Humilde.
  4. Eduque quem estiver ao seu redor! Considere compartilhar com eles textos e livros sobre temas que acredita que eles não estão bem treinados. Essa é uma forma efetiva de feedback para liderar.
  5. Não leve nada para o lado pessoal. Muitas vezes temos que lidar com pessoas que não tem a mesma maturidade que temos. Se for o caso, bola pra frente

Vamos discutir?

Concordando ou não, deixe um comentário, eu realmente quero ouvir outras opiniões sobre esse assunto.