em Pessoal

Meditações de Marco Aurélio

Terminei de ler meditações de Marco Aurélio.

Um livro simples, de leitura fácil com valores muito poderosos, que na minha opinião parecem muito distantes da nossa sociedade atual.

Fiz algumas anotações do livro que quero compartilhar aqui e comentar.

Sobre reconciliação com aqueles que nos feriram:

e com respeito àqueles que me ofenderam com palavras, ou me fizeram mal, dispor-se facilmente a ser apaziguado e reconciliado, tão logo tenham demonstrado vontade de reconciliar;

Isso me lembra um pouco da teoria dos jogos, especificamente da Evolução da Cooperação, na qual a pessoa com o comportamento cooperativo e que perdoa mas que não vai se deixar fazer papel de trouxa, é o perfil que mais se dá bem no longo prazo e é o principal tipo de pessoa para que a sociedade melhore como um todo, pois sempre busca soluções win-win.

Infelizmente, no Brasil a falta de confiança nas pessoas é um grande problema e isso prejudica que possamos evoluir como sociedade, como os dados podem mostrar, em 2014, apenas 6,53% dos brasileiros concorda com a frase “a maioria das pessoas são confiáveis”.

https://ourworldindata.org/trust

Sobre estar presente (mindfulness)

Em vários momentos, Marco Aurélio fala sobre estar presente, realmente prestando atenção àquilo que você está fazendo, como por exemplo ao ler:

de ler com atenção, e não me contentar com uma compreensão superficial de um livro;

Ou quando ele fala sobre tirar um tempo para decidir sobre sua vida

Será que as coisas externas que caem sobre você o distraem? Dê a si mesmo tempo para aprender algo novo e bom, e pare de ser girado como um pião.

Sobre se preocupar mais com o que se passa na própria mente do que na terceiros:

Não observar o que está na mente do outro raramente fez um homem infeliz; mas aqueles que não observam os movimentos de suas próprias mentes devem necessariamente ser infelizes.

É por isso que, em cada ocasião, o ser humano deve se perguntar: É esta uma das coisas desnecessárias? Agora o ser humano deve remover não apenas os atos desnecessários, mas também os pensamentos desnecessários, pois então os atos supérfluos não serão bem-sucedidos.

Em diversos pontos, Marco Aurélio vai exortar sobre pensar sobre aquilo que se faz e se pensa, e não só agir de forma automática.

Sobre não se deixar perder por dores ou prazeres

Receba riqueza ou prosperidade sem arrogância; e esteja pronto para deixá-la ir.

Sobre buscar ser bom e dar o exemplo

Por várias vezes, Marco Aurélio cita que acredita que o homem tem como função na natureza, exercer o bem, mesmo que existam homens maus. E já que a função é o bem, é necessário que o homem seja bom, mesmo com os maus.

Não fale mais sobre como um bom homem deve ser, mas seja um bom homem.

Quando você tiver assumido estes títulos, bom, modesto, verdadeiro, racional, um homem de equanimidade e magnânimo, tome cuidado para não mudar estes nomes; e se você os perder, volte rapidamente para eles.

Os homens existem para o bem um do outro. Ensine-os então, ou seja paciente com eles.

Tal como são seus pensamentos habituais, tal será também o caráter de sua mente; pois a alma é tingida pelos pensamentos.

Sobre a brevidade da vida

Em várias ocasiões, Marco Aurélio fala sobre a efemeridade de todas as coisas e sobre a morte como um destino natural de todas as pessoas, que não deve ser temido, mas sim aceito com naturalidade.

Tudo é efêmero, tanto quem se lembra como o que é lembrado.

Você é uma pequena alma carregando um cadáver, como disse Epiteto.

A perfeição do caráter moral consiste nisto, em passar todos os dias como o último, e em não ser violentamente excitado, ou torturado, ou fazer-se de hipócrita.

Anotações

O livro traz muito mais do que minhas anotações podem trazer. Por isso leia esta versão que está muito bem traduzida, comprei pra Kindle na Amazon.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Curti suas anotações e vejo o quanto se pensava em coisas que hoje ainda precisamos meditar sobre. Temos muito o que evoluir e, vendo estes pontos levantados pelo livro, percebo que mudamos pouquíssimo em alguns aspectos ao longo de séculos. Somos “slow learners” como sociedade… Obrigado por compartilhar =)

    • Obrigado pelo comentário!

      Acho que alguns valores parecem realmente universais, eram difíceis naquela época e continuam difíceis hoje, mas não menos importantes.

  • Conteúdo relacionado por Tag