Ninguém quer ser medíocre

Citação - Eu tenho convicção que todos querem se tornar bons profissionais. Ninguém quer ser medíocre - Fernando Freitas Alves

Eu tenho convicção de que todos querem ser bons profissionais e trabalhar bem. Ninguém quer ser medíocre.

Um dos livros que eu mais gosto sobre empreendedorismo e startups é o “The hard thing about hard things” do Ben Horowitz. Neste livro, o autor chega a dizer que ser uma boa empresa é um fim em si mesmo. (Tradução livre de “Being a good company is an end in itself.”). Ele argumenta que isso pode ser a diferença entre vida ou morte quando as coisas vão mal. E todos sabemos que as coisas vão mal de vez em quando. Se sua empresa é boa, seus funcionários estão dispostos a comprar essas brigas com você.

Eu acredito que ser uma boa empresa possibilita que as pessoas entreguem o seu melhor. E pra ser uma boa empresa, é preciso endereçar os problemas que estão acontecendo. Se sua empresa não está sempre se perguntando como ela poderia ser uma empresa melhor, você precisa procurar outro emprego hoje.

Se sua empresa não está se perguntando como melhorar é porque ela não tem essa intenção

Já trabalhou com um time que se encaixa com você?
Sabe aquela sensação de que as coisas fluem, existe transparência e alinhamento, todo mundo se ajuda e é divertido trabalhar junto? Pois são nesses lugares que é bom trabalhar e quando você sai de um trabalho assim pra ir pra um time que não funciona tão azeitado, já bate o arrependimento.

Acredito que toda empresa deveria se preocupar em caminhar nessa direção, sempre se perguntando: “Como monto um time de profissionais incríveis e que desenvolvam seu melhor trabalho juntas?”

A resposta para essa pergunta é o que chamamos de cultura e é um assunto para um artigo muito maior no futuro. Porém, quero chamar atenção para esse ponto. Se sua empresa não está sempre se perguntando como melhorar é porque ela não tem essa intenção.

Mensurando o clima do ambiente de trabalho

Na minha empresa, uma ferramenta que usamos para isso é o eNPS (Employee Net Promoter Score) porque é uma métrica que ajuda a entender o quão atraente estamos para nossos funcionários.

Funciona similar ao já tradicional NPS: Você pergunta o quanto seus funcionários estariam dispostos a recomendar a sua empresa para que outras pessoas trabalhassem nela.

Dessa forma, quem responder entre 9 e 10 são seus Promoters. São pessoas que amam a empresa e vão fazer o famoso marketing boca-a-boca sobre ela. Quem responder 7 ou 8 são neutros, eles não tem nenhuma questão muito crítica em relação à empresa, mas também não tem nada que os deixe muito felizes de estarem trabalhando lá.

Por fim, temos os Detractors, que são aqueles que deram uma nota abaixo de 6. Esses funcionários tem algumas questões em relação à empresa e isso se reflete na nota deles.

Para calcular o eNPS final é só usar a fórmila:
NPS = % of Promoters - % of Detractors

Junto ao eNPS você pode fazer outras perguntas para entender o que tem dado certo e o que precisa melhorar e aí você consegue informação qualitativa.

Por exemplo, uma vez por mês, eu e outras lideranças da minha área lemos todas as mensagens dos profissionais e geramos pontos de ação tanto pra buscar melhorar como empresa, como para explicar sobre algum assunto que precisa ser esclarecido com o funcionário. Separar esse tempo é investir em construir uma empresa melhor.

Como direcionar a cultura

Em conclusão, eu gravei um vídeo rápido sobre cultura e 3 formas dos líderes trabalharem pra formatar uma cultura forte dentro da empresa.

Pra quem não quer ouvir a argumentação (TL;DW), vamos direto ao ponto:
1. Dê o exemplo!
2. Incentive os bons comportamentos/iniciativas.
3. Atue nos problemas, sempre!

Quer saber como passar por esses 3 passos, veja o vídeo e me fala o que você achou.

Lembre-se: Cultura não é bullshit!

Bônus: Post sobre feedback negativo

Tech Leads deveriam gerenciar pessoas?

Tech Leads deveriam gerenciar pessoas? Alguns líderes técnicos tem um frio na espinha só de pensar nisso. Outros, que já estão fazendo isso no dia-a-dia se lamentam e acreditam que essa é a grande dificuldade do trabalho deles e que deveriam focar só na parte técnica. Porém, na minha opinião, a resposta para essa pergunta é um grande e sonoro SIM.

No entanto, para muitos Tech Leads, essa é uma dor. É como se essa fosse a parte do trabalho que mais cria ansiedade, como aquela palpitação antes de ter um 1-1, ou se perguntando “Por que não pensei em falar isso naquela hora?” E ainda as avaliações de performance ou demissões. Muitos pensam que seria mais fácil quebrar esse papel em dois entre pessoas e tecnologia. Algumas empresas até fazem isso, mas eu não acredito nessa separação.

Por certo, você evoluiu por várias etapas no seu desenvolvimento técnico, conseguiu negociar soluções, simplificar problemas, fazer escolhas difíceis, trade-offs e navegar pela sua carreira para alcançar essa posição de liderança. Você foi forjado nesses desafios e seria um desperdício ignorar isso e se reduzir ao conhecimento técnico de uma linguagem, sistema ou framework. Aproveitar o que você sabe facilitará o caminho daqueles que você lidera e eles vão crescer com chances de se tornarem líderes também.

Porém, só para deixar claro. Sempre que eu usar a palavra líder, eu estarei falando no sentido de um facilitador, de um mentor, de alguém que está ajudando alguém a superar os desafios. Não gosto de pensar em líder como “chefe”. Aliás, não gosto nem dessa palavra.

Imagem do Mentor do He-man. 
Tech Leads deveriam gerenciar pessoas?
Mentor.
Para quem lembra do He-man

Deixa eu me explicar.

Por fim, fiz esse vídeo, no qual explico um pouco sobre o porquê eu acredito tanto que tech Leads deveriam gerenciar pessoas.

Esse assunto começou sendo discutido lá no meu instagram, me sigam: https://www.instagram.com/ffreitasalves/

Efeito Dunning-Kruger e a Síndrome do Impostor

Muito se fala sobre a síndrome do impostor, porém pouco temos visto sobre o outro lado da moeda que é o Efeito Dunning-Kruger.

Quantas pessoas você conhece que sabem tão pouco sobre um assunto mas se acham as maiorais, enquanto outras pessoas com muito conhecimento, sentem-se incapazes? Esses problemas são reais. Um deles podemos evitar com um pouco mais de humildade, no outro, com mais auto-confiança. Veja o vídeo que gravei para o meu instagram:

E esse vídeo tem uma continuação aqui, falando sobre as pessoas que usam a Síndrome do Impostor como bengala.

Contudo, mesmo falando que tem gente que usa isso como bengala, ainda existem muitos casos reais de quem sofre com isso, como nessa história que eu falei aqui.