Tech Leads deveriam gerenciar pessoas?

Tech Leads deveriam gerenciar pessoas? Alguns líderes técnicos tem um frio na espinha só de pensar nisso. Outros, que já estão fazendo isso no dia-a-dia se lamentam e acreditam que essa é a grande dificuldade do trabalho deles e que deveriam focar só na parte técnica. Porém, na minha opinião, a resposta para essa pergunta é um grande e sonoro SIM.

No entanto, para muitos Tech Leads, essa é uma dor. É como se essa fosse a parte do trabalho que mais cria ansiedade, como aquela palpitação antes de ter um 1-1, ou se perguntando “Por que não pensei em falar isso naquela hora?” E ainda as avaliações de performance ou demissões. Muitos pensam que seria mais fácil quebrar esse papel em dois entre pessoas e tecnologia. Algumas empresas até fazem isso, mas eu não acredito nessa separação.

Por certo, você evoluiu por várias etapas no seu desenvolvimento técnico, conseguiu negociar soluções, simplificar problemas, fazer escolhas difíceis, trade-offs e navegar pela sua carreira para alcançar essa posição de liderança. Você foi forjado nesses desafios e seria um desperdício ignorar isso e se reduzir ao conhecimento técnico de uma linguagem, sistema ou framework. Aproveitar o que você sabe facilitará o caminho daqueles que você lidera e eles vão crescer com chances de se tornarem líderes também.

Porém, só para deixar claro. Sempre que eu usar a palavra líder, eu estarei falando no sentido de um facilitador, de um mentor, de alguém que está ajudando alguém a superar os desafios. Não gosto de pensar em líder como “chefe”. Aliás, não gosto nem dessa palavra.

Imagem do Mentor do He-man. 
Tech Leads deveriam gerenciar pessoas?
Mentor.
Para quem lembra do He-man

Deixa eu me explicar.

Por fim, fiz esse vídeo, no qual explico um pouco sobre o porquê eu acredito tanto que tech Leads deveriam gerenciar pessoas.

Esse assunto começou sendo discutido lá no meu instagram, me sigam: https://www.instagram.com/ffreitasalves/

Com tecnologia a gente se acostuma

Muitas tecnologias que utilizamos hoje de forma banal pareciam estar longe pouco tempo atrás.

Tecnologia de reconhecimento facial #VRDemoNight

Conversando com um amigo, lembrei da época em que eu imprimia a documentação de coisas do trabalho para ir lendo nas duas horas de ônibus que enfrentava da USP para a minha casa. Lembro de ter lido a documentação inteira do Django assim. Nos dias que não dava pra ir sentado aproveitava para ouvir podcasts de inglês do ESLPOD que precisavam ser baixados no site e transferidos manualmente para um MP3 Player. Lembro como se fosse ontem de que nessa época a gente já sabia que a internet viria pra palma da mão de todo mundo, só não era para o nosso bico ainda. A tecnologia estava pronta, só era uma questão de tempo e dinheiro.

Um outro exemplo é o Instagram e o monte de funcionalidades que eles lançaram nos últimos anos. Faz apenas 6 anos que fui na sede da Unity em San Francisco para um meetup de Realidade Virtual. A primeira vez que tive contato com as tecnologias de mapeamento do rosto pra criar essas animações insanas usadas nos filtros. Só 6 anos. Hoje todo mundo tem na mão.

Treinamento Jedi com Oculus Rift

O que será diferente daqui a 6 anos? Quais outras tecnologias? Carros autônomos? Mais realidade aumentada? Mais Wearables? Acho que tudo isso e mais um pouco. Pode até parecer longe, mas é só questão de tempo e dinheiro.

PS: E a covid acelerou a transformação digital.